política de privacidade MA Hospitalar

OS DESAFIOS NO CENTRO CIRÚRGICO

Atingir um nível de qualidade e excelência nos atendimentos e serviços prestados é uma tarefa desafiadora dentro dos hospitais. A instituição precisa estar pautada em técnicas e sistemas organizacionais, dentro e fora do centro cirúrgico, que visem uma melhor gestão, com enfoque diretamente voltado à segurança do paciente e reabilitação da saúde. Além disso, para que o serviço funcione, são necessários recursos financeiros, humanos, materiais e de equipamentos que detenham tecnologia e sejam seguros.

O IMPACTO DO CENTRO CIRÚRGICO NA CONTA HOSPITALAR

Considerando todos os setores pertencentes a uma instituição de alta complexidade, o centro cirúrgico é responsável por um impacto financeiro importante. É fundamental que seja desenvolvido um gerenciamento com eficácia para uma boa organização e planejamento. Esta operacionalização requer a utilização de ferramentas que viabilizem o planejamento, gestão e organização do setor, contemplando toda a Instituição. A automatização destes processos permite que haja integração de todos os setores das instituições de saúde com agilidade e qualidade. 

O levantamento de indicadores é essencial para que possam ser mensurados todos os impactos gerados na instituição, sejam eles positivos ou negativos. Como ferramentas fundamentais na gestão em saúde, servem como recursos estratégicos por utilizarem dados institucionais para desenvolver estruturas de trabalho. Estes indicadores servem como métricas importantes diretamente relacionadas aos custos hospitalares, pois avaliam o desempenho e a qualidade dos setores, sendo um deles o Centro Cirúrgico. Ainda assim, determinam a construção do planejamento estratégico hospitalar, de forma contínua com atualizações nos dados a partir de metas de curto, médio e longo prazo. Assim é possível a tomada de decisões para melhorias e inovações na prática clínica, especificamente, na área cirúrgica.

65b7fff237be78f017d97fcb0a42550f

O Centro Cirúrgico é um dos principais setores responsáveis pela geração de receitas nos Hospitais. Alguns dos mais importantes indicadores utilizados pelas instituições podem determinar:

Taxa de ocupação por

  • Sala
  • Setor cirúrgico
  • RPA
  • Procedimento cirúrgico
  • Logística de setores e salas 

Intervalo de substituição

  • Dimensionamento de pessoal
  • Escala de enfermagem
  • Divisão de equipes e especialidades médicas

Tempo médio de permanência

  • Número de procedimentos realizados
  • Convênios utilizados

Indicadores de rentabilidade

  • Tempo médio de permanência
  • Número de procedimentos realizados
  • Convênios utilizados
  • Controle de eventos adversos
  • Rastreabilidade de fármacos do centro cirúrgico; OPMEs; Gasoterapia anestésica
  • Controle das antibioticoterapias e fármacos
  • Monitoramento dos fatores de risco para infecções hospitalares

Faturamento

  • Glosas

Satisfação do paciente

  • Pesquisa de satisfação
  • Protocolo de atendimento
  • Acompanhamento pós operatório imediato e mediato para controle das infecções hospitalares

Avaliação da produtividade clínica

  • Registro de investimento
  • Relação de dados perioperatórios de todas as unidades em uma central
  • Recursos humanos

Avaliação da produtividade da equipe

  • Melhoria da performance do centro cirúrgico
  • Turnover de sala
  • Produtividade em horas por tempo e sala
  • Valores e análises da qualidade assistencial
  • Rastreabilidade por hora e por período
  • Eliminação por completo do registro perioperatório em papel, com diminuição em 2/3 do tempo e recursos humanos para faturamento do procedimento anestésico

Taxa de mortalidade

  • Checklist de cirurgia segura
  • Segurança do paciente

O SISTEMA DE CUSTOS DO CENTRO CIRÚRGICO

O sistema de custos normalmente se baseia na coleta, classificação e organização de dados que são transformados em relatórios estatísticos e padronizados. 

A implantação de um sistema de custos nos hospitais é, em sua maioria, um processo demorado e bastante complexo. Hospitais são instituições que possuem múltiplos serviços e profissionais atuando simultaneamente e coletar as informações necessárias de todas as áreas pode ser uma tarefa bastante demorada. 

O aumento da demanda da população por atendimentos em saúde vem fazendo com que aumente também a concorrência entre as empresas que prestam esse serviço.

Quando falamos em custos não podemos deixar de mencionar os EA – Eventos Adversos. Nos centros cirúrgicos eles contribuem para o aumento dos custos da assistência hospitalar. Mais de 60% dos custos partem do tempo de permanência atribuída aos EA cirúrgicos e, em cerca de 45% deles, o paciente tem acréscimo médio de 14 dias de internação.

Quanto à questão financeira e ao tempo de internação, com base na literatura científica, o valor gasto com as internações hospitalares chega a ser 200,5% maior na ocorrência de eventos do que nas internações sem eles, além do tempo de internação ser, em média, 28,3 dias a mais.

A OTIMIZAÇÃO DOS FLUXOS DE TRABALHO

A melhoria na eficiência nos fluxos de trabalho dentro do centro cirúrgico tem uma contribuição muito grande para a redução de EA e de custos gerais, é claro.

Foi pensando nesses desafios que a GE Healthcare desenvolveu o Carestation Insights. Esta plataforma de análise avançada ajuda médicos, enfermeiros e demais profissionais da saúde a tomar decisões baseadas em dados.

e076acd67e759c78fce47b84493bb322

Carestation Insights é um conjunto de aplicativos de análise com o sistema de administração de anestesia Aisys CS², capaz de enviar mais de 300 pontos de dados da máquina de anestesia para a nuvem, incluindo ventilação medida e definida e valores de gás, alarmes, status da máquina e códigos de erro.

aa3f0c134e2ea135dabb65f6a9791e2e

Carestation Insights oferece um conjunto poderoso e robusto de aplicativos baseados em nuvem, facilmente acessados em seu computador ou tablet. Há um enorme potencial na exploração de novas maneiras de analisar esses dados, a fim de desenvolver uma compreensão detalhada e profunda do paciente e dos processos por meio de percepções clínicas, operacionais e econômicas acionáveis conforme a área:

6adc789b45d86788bf895cc861d95f04
  • Promover melhores práticas clínicas
  • Promover a padronização
  • Otimizar processos e a sua adoção
  • Justificar a escolhas para a gerência
  • Ajudar a identificar oportunidades e medir resultados para apoiar iniciativas de proteção pulmonar (LPV)
a9bf1c3147a8ef00b75dac5d4db8dede
  • Melhorar a eficiência operacional
  • Contribuir para que o procedimento cirúrgico comece a tempo
  • Oferecer suporte aos objetivos de qualidade com registro eletrônico de status de verificação da máquina
  • Fornecer transparência no uso e custos do agente anestésico e usar os dados para apoiar iniciativas de baixo fluxo 
956a801d2ca36c2f50c39e8a4f148331
  • Padronizar estratégia
  • Monitorar e otimizar o uso de recursos
  • Incentivar as melhores práticas
  • Utilizar melhor de de maneira mais inteligente o orçamento

ESTUDO DE CASO CARESTATION INSIGHTS

Em 2016, a GE se associou ao Prof. Dr. Ross Kennedy, Anestesiologista do Christchurch Hospital, Nova Zelândia, e Professor Associado da Universidade de Otago, Nova Zelândia, e ao Dr. Richard French, Anestesiologista e Diretor Clínico do Christchurch Hospital, para usar a plataforma Carestation Insights e seu Agent Cost Dashboard para descobrir oportunidades não identificadas anteriormente durante o período de indução para reduzir ainda mais uma taxa média de fluxo de gás fresco já baixa em suas instalações. As taxas médias de fluxo de gás fresco, já baixas durante a administração do agente, foram reduzidas em mais 13%, para surpreendentes 0,745 l/min após a intervenção¹.

O estudo completo foi apresentado no Euroanaesthesia 2017 e pode ser acompanhado pelo link: https://youtu.be/9ulC8L-tq04

E para conhecer mais sobre o Carestation Insights, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=bnfhILlvXHg

O papel do período de indução na determinação do consumo geral de gás e vapor. Ross Kennedy, MB ChB PhD FANZCA, Richard French2 MB BS FANZCA, Hospital Christchurch e Universidade de Otago Christchurch, NOVA ZELÂNDIA. James Hanrahan BS MBA e Guy Vesto BSc, GE HealthCare, Madison WI, EUA

REFERÊNCIAS

5 Top Challenges in the Hospital OR — And How to Overcome Them

The Cost of a Lost Minute in the OR

Como gerenciar um centro cirúrgico: controle de custos e outros pontos

O custo de desperdício de materiais de consumo em um centro cirúrgico1

Sumário

Newsletter

Inscreva-se para receber nossa Newsletter

Newsletter
Aceite